Avaliação da Osseointegração promovida por implantes jateados por Al2O3. Análises histológica e histométrica em cães

A formação de uma interface osseointegrada é mais previsível quando osso denso e saudável está em contato com a superfície do implante no momento da instalação. Porém, a colocação de implantes imediatos após exodontia apresenta inúmeras vantagens, entre elas a preservação da arquitetura óssea e gengival dos processos alveolares, além da diminuição do tempo cirúrgico. A utilização de uma superfície modificada proporciona um maior contato ósseo com o implante; baseado em princípios biológicos.

A proposta deste trabalho é avaliar qualitativa e quantitativamente a interface entre osso e os implantes de titânio, jateados por Al2O3 instalados imediatamente após exodontias, em cães. Os implantes foram instalados nos alvéolos de pré-molares mandibulares bilateralmente em quatro cães. Foram instalados quatro implantes para cada animal (4mm de diâmetro e 10mm de comprimento) do Sistema Colosso (Emfils®), sendo dois de cada lado da  mandíbula. Os animais foram sacrificados aos 120 dias pós-operatórios. As peças foram desmineralizadas, e os implantes removidos. Três implantes foram perdidos, três fibrointegrados e dez osseointegrados. A análise quantitativa foi realizada considerando-se cinco roscas apicais e o fundo do implante. A análise histológica mostrou tecido ósseo saudável em fase de maturação em íntimo contato com os implantes osseointegrados. Na análise histométrica, observou-se um contato ósseo de 76% nos implantes osseointegrados.

Palavras-chave: implantes dentários; osseointegração; implante dentário endoósseo; cirurgia bucal.

 

Daniela Ponzoni